A coluna musical mais comentada da Internet !

Obrigado madrinha !


 A perda de Beth Carvalho deixa um vazio enorme para a música brasileira tamanha sua contribuição

(02/05/2019)

Estava com a coluna do mês de maio toda pronta para falarmos de assuntos polêmicos no meio da música, mas um trágico acontecimento fez com que eu repensasse a idéia. Estou me referindo ao falecimento da eterna madrinha Beth Carvalho. Prestes a completar 73 anos, Beth nos deixou precocemente. A música brasileira, mais uma vez, fica órfã de um de seus maiores expoentes e como não poderia deixar de ser, me sinto no dever de fazer esse artigo em sua homenagem, que tanto dignificou o mundo do samba pelo país a fora e ajudou, inclusive, a revelar nomes como Zeca Pagodinho, Arlindo Cruz, Jorge Aragão, entre outros.

Beth Carvalho foi simplesmente a cantora mais importante da história do gênero. Ao lado de Clara Nunes, teve grande contribuição no resgate de velhos compositores esquecidos, no incentivo aos jovens autores que iam surgindo e na valorização dos poetas das escolas de samba, da velha e da jovem guarda dos terreiros cariocas. De coração botafoguense e unida, de corpo e alma, à escola Estação Primeira de Mangueira, a cantora lançou em 1965 seu primeiro compacto simples com a música Por Quem Morreu de Amor, de Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli. O álbum inicial da carreira veio em 1969, na qual trouxe Andança como carro-chefe e que mais tarde se tornaria um dos grandes clássicos do samba. Mas foi em 1979 que a sambista conquistou definitivamente o Brasil e o mundo com Coisinha do Pai, incluída no LP No Pagode. O hit se juntaria a inúmeros clássicos, como Saco de Feijão, Olho por Olho, Firme e Forte e Vou Festejar.

Ao longo dos seus mais de 50 anos de estrada, Beth gravou cerca de 34 discos e 5 DVDs e levou o samba carioca aos 4 cantos do mundo. Teve, dessa forma, seu reconhecimento merecido pela importância de sua carreira e por seu papel para o gênero. Chegou até a ser homenageada na edição 2009 do Grammy Latino, em Las Vegas. Na ocasião, a cantora foi a primeira sambista a receber uma das aclamações mais importantes do Grammy, o prêmio Lifetime Achievement Awards. Nem mesmo seus últimos problemas de saúde, que fizeram com que se afastasse dos palcos em algumas ocasiões, impediu que seguisse carregando seu legado e apresentando o ritmo, que a acompanhou por toda vida, ao público.

Beth tinha muitos caminhos a seguir na música. Por pouco não se enveredou oficialmente para a MPB, haja vista que seu primeiro álbum foi voltado para esse gênero. Mas quando um artista tem determinada vocação, basta um sinal para trilhar seu rumo. Ao se deparar com as cores da sua verde e rosa tomando o centro do Rio soube, naquele momento, exatamente o que queria ser. E foi no samba que essa guerreira construiu o seu apogeu. Sua perda transcende barreiras inimagináveis. É uma perda do ponto de vista de acervo e repertório musical e do canto que emanou como uma conexão entre o samba entoado no Estácio, o das escolas de samba e o dos muitos partidos altos da região da Leopoldina.

Mas nossa intenção até aqui não é resumir a sua carreira. E isso seria impossível, haja vista a grandeza de sua história. Queremos transmitir através dessa coluna uma mensagem de carinho, de respeito por quem sempre levantou a bandeira do samba com maestria. À memória de uma artista com destacada importância para a cultura brasileira. Essa é Beth Carvalho, a única mulher que o samba chamou de rainha. Sua trajetória nos dá a certeza de que “o show tem que continuar”!


Marcus Vinicius Jacobson

Jornalista e diretor do MVHP - Portal de Cifras
Sugestões de temas, ou elogios e críticas a esta coluna
envie um e-mail para redacao@mvhp.com.br

 

|| COLUNAS ANTERIORES ||

» Sucesso Precoce » As expectativas para 2007
» O Valor do lixo Cultural » Os 100 anos do frevo
» Profissão: Músico » MP3: o futuro da música
» Vamos dar um Basta » Tudo que você queria saber sobre registro de músicas
» A volta do Rock » O fim do sucesso
» O preço da Fama » Como se tornar um bom músico
» Pobres Compositores » O excesso de Cds e DVDs ao vivo
» Um descaso à Parte » A falta de hits no mercado
» Contradição na Música » Vivendo de música no Brasil
» Renegando as Origens » A vitória do samba carioca
» Tudo sobre o jabá » A música sem limites
» Cade o Axé Music? » O futuro do CD
» Quanto vale o Som ? » O papel da mulher no samba
» Duelo de Gigantes » A cura dos males através do canto
» Drogas X Música » A verdadeira queda dos CDs no Brasil
» Por trás da carreira solo » A música como disciplina obrigatória
» O sucesso da música descartável » Anos 80 X Músicas Atuais
» O artista como um produto » O descaso com os ídolos do passado
» Um exemplo a ser seguido » O centenário de Cartola
» Pirataria: A inimiga número 1 » A fabricação de bandas pela mídia
» Pirataria: Um mal que pode ser necessário » A polêmica do sertanejo universitário
» Tribalistas: O novo fenômeno Musical » Violão: um estudo que depende de você
» 2003: Mudanças ou Mesmice ? » Compositores: os heróis esquecidos
» Overdose Estrangeira » O sucesso da música gospel
» Será que o funk voltou ? » O que aconteceu com a música brasileira?
» Samba X Pagode l» A Internet como ferramenta de divulgação musical
» O futuro da música brasileira » Morre o homem, renasce o mito, vive a lenda
» A falta de renovação na música brasileira » Como escolher seu repertório de barzinho
» Internet: uma nova opção para os músicos » A volta da Legião Urbana
» Pra aonde vai a   tradição musical ? » Os talentos que são desperdiçados
» Brigar pra quê ? » O processo de composição
» Educando com a música » A Agonia da Velha Guarda do Samba
» Música: Um caminho para jovens carentes » O Carnaval e seus contrastes
» MPB: Cultura ou Entretenimento ? » Os novos rumos da indústria fonográfica
» Festivais de música: Uma necessidade para a MPB » MPB: será que há falta de poesia?
» Sony e BMG: uma fusão inteligente » A nova roupagem do ´´sertanejo``
» E viva o Samba » Gravadoras: uma ´´canoa furada``
» Mais um ano se passou » O adeus ao eterno exagerado
» A ascensão do Hip-Hop » A volta do Rock in Rio ao Brasil
» A falta de liberdade na criação » Seja seu próprio dono
» Um novo alento para as bandas novas

» A nova onda colorida

» As oportunidades continuam ! » O que é ser um artista independente ?
» A polêmica de Caetano » O acesso crítico ao mercado fonográfico
» Os 90 anos do mestre Caymmi » O sucesso do youtube para os anônimos da música
» Cazuza: o tempo não pára » A polêmica reforma dos direitos autorais
» Aonde está a liberdade de expressão ? » O artista fabricado e suas consequências
» A polêmica da música comercial » O polêmico fim do registro de música
» O efeito das Redes P2P na música » Os erros e acertos do Rock in Rio 4
» Pirataria: uma polêmica sem limites » A música sem rótulos
» Tom Capone: um exemplo de profissional » A polêmica do ´Ai se eu te pego`
»O processo de composição » A volta do vinil
» O funk é cultura?! » Profissão: Cantor de Barzinho
» Amanhã não se sabe » Aprender um instrumento musical é vida
» Na onda das regravações !» A polêmica dos CDs promocionais
» A pobreza musical do momento » Já não se faz música como antigamente !
» Os 20 anos da Axé Music » O centenário do eterno Rei do Baião
» Uma longa jornada pelo espaço » O rock sem disfarce
» O fenômeno das micaretas » O caminho rumo a estrelato
» Uma parceria de sucesso » A polêmica de Lobão
» O samba rompendo fronteiras » A falta de liberdade de criação
» A vez dos artistas esquecidos » O renascimento do pagode dos anos 90
» A crise da indústria da música » A falta de espaço para shows na cena independente
» Optando pelo mercado estrangeiro » O perigo do uso das metáforas na música
» O sucesso do mercado GLS » Rock Nacional:futuro incerto
» O Carnaval no Brasil » A importância do cantor de barzinho
» A música fora de Ordem » Músico de bar: uma ajuda crucial para driblar a crise
» A volta dos Mutantes » A via crúcis do músico de bar
» O retorno do inesquecível pop/rock » Tudo que você queria saber sobre música cover
» O descaso com o samba » Que tiro foi esse na música ?
» A criminalização do jabá » Cover, autoral ou intérprete ? Eis a questão.
» A música como poder de cura » Quero ser músico. E agora ?

VOLTAR | ATUALIZAR | AVANÇAR