ENTREVISTA ESPECIAL : MC Marcinho

A volta por cima do príncipe do funk
 Depois de um período difícil, MC Marcinho retoma sua carreira, planeja novos sucessos e se prepara para lançar sua biografia

 

 

Glamurosa, rainha do funk. Poderosa, olhar de diamante...” Esses versos traduzidos em música vêm de quem sabe falar de amor e muito bem por sinal. É claro que estamos nos referindo ao príncipe do funk: MC Marcinho.  São 24 anos de uma carreira sólida, construída por ele mesmo e agitando uma multidão de fãs por onde passa. Lançado no programa da "Furacão 2000" nos anos 90, Márcio André Nepomuceno Garcia, o MC Marcinho, aprendeu ainda criança, com seu pai, marceneiro e sambista, o gosto pela música. Nascido em Duque de Caxias em novembro de 1977 teve como influências musicais Roberto Carlos, Tim Maia, Sandra de Sá, Jorge Benjor e Raça Negra. O pontapé inicial da sua carreira se deu quando pediu para cantar em um festival de Rap no Zios Club, na sua cidade natal, em 1994, aproveitando tal oportunidade para mostrar seu talento.

 

Nessa época, Marcinho compôs seu primeiro rap, o Rap do Solitário e de lá para cá não parou mais. O MC não venceu o Festival, mas o sucesso da sua música foi tão grande que conseguiu ser incluído na programação das rádios. Daí, para começar a fazer shows, foi um pulo. Com isso, outros hits foram estourando cada vez mais e marcando seu nome no cenário do funk. Glamurosa, Rap do Silva, Princesa, Garota Nota 100 foram alguns desses sucessos que tornaram-se referência para novos talentos neste seguimento. Já são sete CDs lançados e dois DVDs, entre centenas de shows, entrevistas e participações especiais.

 

Mas quem pensa que a vida de Marcinho até aqui foi só de ganhos, se enganou redondamente. O artista passou momentos delicados. Inicialmente viu sua carreira ter uma baixa quando o funk erotizado passou a dominar os bailes e as pistas de dança do Rio de Janeiro. Mas o MC não desistiu e batalhou muito para se superar. Fez muitas viagens de ônibus para estúdios de gravação, estúdios de DJs e empresários e chegou, inclusive, a trabalhar no setor administrativo de um hospital. Quando se encontrava no auge da carreira, depois de explodir com Glamurosa, a vida lhe pregou uma peça. Um acidente de carro, em 2006, fez com que Marcinho fosse obrigado a dar uma pausa em sua carreira, chegando a pensar, até mesmo, em desistir de tudo quando quase amputou uma das pernas.

 

Mas Deus estava com ele e fez ele se reerguer. Após esse episódio, Marcinho e sua família começaram, então, um projeto para ajudar famílias carentes. E dois anos depois conseguiu reunir forças, largou as muletas e revolucionou o funk gravando, ao vivo, no  Circo Voador,  o DVD “MC Marcinho – Tudo é Festa”, com novos e antigos sucessos. Seu mais recente trabalho, Desce Travando, faz parte desse DVD. E novas músicas já estão sendo preparadas para bombar nas pistas.

 

Lançado em 2011, esse DVD é considerado um marco na história do funk de raiz. Para comemorar o sucesso de mais de duas décadas de funk, o artista pretende lançar, ainda, sua biografia, escrita por Marcelo Costa, em dezembro deste ano. O livro contará sua trajetória difícil ainda em Caxias até conquistar a vitória, seus dramas pessoais, como o funk mudou sua vida, dos amigos que ficaram pelo caminho e sua volta por cima em grande estilo, após o acidente trágico. Esse é MC Marcinho, o nosso entrevistado da vez, que voltou a mil por hora botando todo mundo para dançar, sem preconceitos: da periferia à Zona Sul. Confira aí !

 

Site Oficial:

http://www.mcmarcinho.com.br

Marcus Vinicius Jacobson

Reportagem

Entrevista publicada no dia 22/08/2017

 

 

1) Qual o balanço que você faz desses 24 anos de carreira ?

 

Que o funk cresceu muito e que quebrou barreiras !

 

2) Ser reconhecido como o “Príncipe do Funk não é pra qualquer um. Como é carregar esse rótulo ?
 

Eu agradeço o título, mas não me deixo levar por rótulos e sim pela minha história.

.

3) Ao longo de sua vasta carreira você já passou por todas as fases do funk. Na sua opinião, qual a diferença do funk dos anos 90 para o funk de hoje?

 

 O funk dos anos 90 tinha mais letras mais melodias e o funk de hoje tem mais malícia e tem mais qualidade musical, enfim, mais recurso nas produções.

 

 

4) Em suas canções você procura exaltar as mulheres, cantar um funk do bem, enfim, uma música que faça as pessoas se alegrarem. Podemos dizer que essas suas características que fizeram você cativar o seu público ?

 

 Sim. Eu sempre me preocupei com o que as pessoas iriam ouvir nas suas casas. Então sempre procurei falar de amor, de alegria e coisas boas.
 

5) Fale pra gente um pouco sobre seu novo trabalho e as suas novas músicas que estão bombando nas pistas.

 

A música nova tipo rebolado vai ser lançada em breve, mas a desce travando já está bombando na pista !

 

6) Sua história acompanha a história do funk no Brasil. Inclusive você está preparando uma biografia para contar tudo sobre esses 24 anos de carreira. Como surgiu essa idéia do livro ?

 

A idéia veio do meu assessor Anderson e eu adorei.  Já era um sonho estou muito feliz !

 

7) Em falar nisso seu grande sucesso de 2001, Glamurosa, foi feita especialmente para a apresentadora Xuxa. Conte um pouco mais sobre essa curiosidade.

 

Foi feita pra Xuxa e também para a Verônica Costa. As duas representavam bem o nosso funk: uma com o glamour e a outra a nossa rainha do funk. Eu acho que elas aprovaram. (risos)

8) Você integra um time escalado pelo senador Romário para combater a proposta de criminalização do funk no Senado Federal. O que pode dizer sobre isso.

 

Isso é uma grande palhaçada ! Alguém querendo aparecer em cima do funk. Estamos juntos com o Romario, esse sim é funkeiro e politico de verdade.

 

9) Em 2006 você sofreu um grave acidente automobilístico e levou um tempos para se recuperar fisica e financeiramente. Logo em seguida contraiu uma bactéria no estômago e teve que se afastar dos palcos. Nesse momento você pensou em desistir da música ? O que te fez se reerguer e voltar por cima em grande estilo ?

 

Quando sofri o acidente realmente pensei em parar, estava muito triste, mas Deus e meus familiares, amigos, fãs me mostraram que eu poderia dar a volta por cima. Então me agarrei em nisso e hoje estou aqui. Já a bactéria eu estava em outra fase, mais confiante. Foi dificil, mas Deus é fiel e me levantou de novo.

 

10) Deixe um recado final pra todos os seus fãs espalhados pelo país a fora.

Quero agradecer todos os meus fãs que me acompanham. Desde os que chegaram agora até aos que me acompanham todos esses anos. Deus abençõe a todos. Amo vocês. #FamiliaPrincipeDoFunk

 

|| REPORTAGENS ANTERIORES ||

» Agnaldo Timóteo » Leno
» Alex Cohen » Leo Jaime
» Alexandre Peixe » LS&D
» Amor Maior » Luciana Mello
» Ana Carolina » Luiz Ayrão
» Angra » Lula Barbosa
» Araketu » Márcio Greyck
» As Galvão » Markinhos Moura
» A Zorra » Maskavo
» Banda MBM » MC Buchecha
» Batom na Cueca » Meninas Cantoras de Petrópolis
» Belo » Miltinho Edilberto
» Beto Guedes » Milton Guedes
» Biah Muller » Moacyr Luz
» Bicho de Pé » Molejo
» Biro do Cavaco » Nação Zumbi
» Brucelose » Nando Cordel
» Bruno Coimbra » Natiruts
» Byafra » Negra Li
» Carlos Lyra » Negritude Jr.
» Casaca » Neguinho da Beija-Flor
» Casuarina » Netinho
» Catedral » Nila Branco
» Cecéu Muniz » Nu Batuque
» Cidadão Quem » O Salto
» Cídia & Dan » Papas da Língua
» Cláudio Nucci » Patchanka
» Cogumelo Plutão » Pato Fu
» Dallas Country » Patricia Coelho
» Daniel Gonzaga » Patricia Marx
» Délcio Luiz » Paulinho Mocidade
» Detonautas » Paulinho Moska
» Dora Vergueiro » Pedro Camargo Mariano
» Dominguinhos » Pedrinho do Cavaco
» Dorina » Pery Ribeiro
» Eduardo Araújo » Pique Novo
» Edu Krieger » Pitty
» Edvaldo Santana » Placa Luminosa
» Eletrosamba » PR.5
» Evinha e Trio Esperança » Quinteto em preto e Branco
» Fael di Sampa » Quarteto em Cy
» Falamansa » Grupo Relíquia
» Família Lima » Rastapé
» Favela Social » Régis Danese
» Fernanda Porto » Ricardo Chaves
» Fernando Mendes » RPM
» Finis Africae » Saia Rodada
» Frank Aguiar » Saiddy Bamba
» Fred Martins » Sambaí
» Fundo de Quintal » Sidney Magal
» Golden Boys » Sociedade do Samba
» Geraldo Azevedo » Sylvinho Bláu Bláu
» Hyldon » Sorriso Maroto
» Imaginasamba » Tânia Mara
» Inimigos da HP » Teresa Cristina
» Inimigos do Rei » The Fevers
» Ivo Pessoa » Tihuana
» Jammil e uma Noites » Tribo de Jah
» Joanna » Trio Virgulino
» João Bosco » Tunai
» João Neto & Frederico » Uns e Outros
» Jorge Mautner » Vagabundos
» Jorge Vercilo » Vander Lee
» José Augusto » Vinicius Cantuária
» Kiko Zambianchi » Vinny
» Kleiton & Kledir » Vixe Mainha
» Lady Zu » Zeca Baleiro
» Lampirônicos » Zé Henrique & Gabriel
» Leila Pinheiro » Zé Renato

VOLTAR | ATUALIZAR | AVANÇAR